Os novos autores

Os novos autores 2019-04-10T15:45:38+02:00

“Creio que o Albert confia em nós; ele sabe que respeitamos os valores da personagem que ele criou com René Goscinny.”
Jean-Yves Ferri

“O Astérix tem uma notoriedade comparável à dos Beatles. É óbvio que é preciso respeitar a tradição ao relançar algo deste calibre. É preciso não defraudar os leitores.”
Didier Conrad

© 2013 Anna Rosati

Jean-Yves Ferri

Nasceu em 1959, como o próprio Astérix! É originário do Sudoeste da França.

Ainda em criança, aprende a ler com a revista Pilote, desenha aos onze anos as aventuras de Tom l’Ours e toma consciência da sua vocação: irá ser autor de banda desenhada.

A partir de 1990 trabalhará como ilustrador para revistas infantis.

1996: publica o seu primeiro álbum, Les Fables Autonomes, na Editora Fluide Glacial (2 volumes publicados), uma série que percorre com humor um universo inspirado nas grandes pradarias do interior dos Estados Unidos, ao jeito de Steinbeck.

Continua com as aventuras do seu polícia rural, Aimé Lacapelle, uma figura que haveria de tornar-se mítica no seio da Polícia Montada do Tarn (Departamento francês na região Midi-Pyrénées), e de que serão publicados quatro álbums entre 2000 e 2007.

1995: conhece, em Paris, o seu futuro co-autor para o desenho: Manu Larcenet.

Este encontro vai levar à criação da célebre série Le Retour à la Terre, de que Ferri será o minucioso argumentista (7 volumes publicados).

Juntos vão conceber outros álbuns mais experimentais, escritos a partir das casas de cada um, tais como:

2006: Correspondances, baseado na troca espontânea de faxes muito especiais;

2007: Le Sens de la Vis 1 – La Vacuité, que aborda com humor as relações entre a arte do desenho e a filosofia zen; e a sua continuação Le Sens de la Vis 2 – Tracer le Cercle (novembro de 2010), nas Edições Les Rêveurs.

2013: Jean-Yves Ferri assina com Didier Conrad Astérix entre os Pictos. O álbum é um sucesso: 2 300 000 álbuns vendidos em língua francesa.

O seu último álbum a solo: De Gaulle à la Plage, álbum anacrónico e balnear publicado na Editora Dargaud, no qual o General confunde a sua silhueta com Monsieur Hulot, de Jacques Tati, e ao qual deve seguir-se o muito esperado De Gaulle à Londres (sequela).

2015: Novo sucesso da dupla Ferri/Conrad com O Papiro de César e os seus 2 200 000 álbuns já vendidos em língua francesa.

© 2013 Anna Rosati

Didier Conrad

Nasceu em 1959 (como o Astérix) em Marselha.

1973: Dá os seus primeiros passos no mundo da BD através de uma Carte Blanche, publicada no Journal de Spirou.

1978: Publica naquela revista a sua primeira banda desenhada, Jason, com base num argumento de Mythic.

Lança-se depois, em parceria com Yann, na animação dos cabeçalhos da revista Spirou com uma série de 400 gags.

Ainda com o mesmo argumentista, cria a mítica série Les Innommables.

1980: Conrad cria uma paródia humorística: Bob Marone.

1984: Conrad cria, com Commenge (que assina com o pseudónimo Wilbur), L’Avatar e depois Le Piège Malais, que retoma a narração da vida da personagem principal, e bem assim uma série infantil, Donito.

1996: Colabora com a Dreamworks na produção da longa-metragem O Caminho para El Dorado (lançado em 2000).

Conrad decide permanecer nos Estados Unidos e aí continuar a sua carreira na banda desenhada. Inicia Kid Lucky, série que narra a infância do Lucky Luke de Morris, sob o pseudónimo de Pierce e com Jean Léturgie e Yann como argumentistas, bem como Cotton Kid, uma outra série para crianças no universo do western.

2005: Conrad cria um derivado desta série a que dará o nome de Tigresse Blanche, partilhando a autoria do argumento com Yann nos dois primeiros álbuns e depois com Wilbur nos seguintes. Esta série tem por heroína Alix, uma espia chinesa no contexto da Guerra Civil entre comunistas e nacionalistas na China.

2007: Conrad e Wilbur levam-nos até à Índia com a série RAJ, tratada pelo desenhador num novo estilo mais realista, próximo da “linha clara”.

2011: Em parceria com Wilbur, Conrad cria a série derivada Marsu Kids, que conta as aventuras das várias incubações do Marsupilami, animal mítico inventado por Franquin.

2013: Conrad é o desenhador da 35ª aventura de Astérix, Astérix entre os Pictos, com argumento de Jean-Yves Ferri. É para ele uma aventura extraordinária: “É um mito poder desenhar Astérix com o acordo de Uderzo. É um sonho de infância que se torna realidade.”

Uma obra rica, um traço reconhecível que causa admiração, cores incríveis! Razões suficientes para que Conrad participe nas aventuras do pequeno gaulês.

Em 2013, os dois autores finalmente encontram-se por ocasião da publicação do álbum nº 35, cuja autoria partilham. É então que, ao longo dos dois meses que dura a digressão que fazem por toda a Europa, nasce entre ambos uma amizade.

Passam todo o tempo juntos e em cada viagem, em cada refeição, em cada noite, não falam de outra coisa que não seja a sua nova ideia: a do álbum nº 36 das Aventuras de Astérix: O Papiro de César.

Idem, aspas em 2015 para aquele que será, desta feita, o álbum nº 37.

Em 2019, a dupla brinda-nos com uma nova aventura dos nossos gauleses preferidos: A Filha de Vercingétorix.

Fotografias : © 2013 Anna Rosati